Dicas para comprar melhor – Parte I

Sempre que atendo uma nova cliente, percebo os mesmos “erros”- que todas nós cometemos, sem pânico! Coisas simples, mas que fazem diferença no tempo que perdemos escolhendo roupa, ou construindo a nossa identidade visual. Afinal, a ideia é que o nosso guarda-roupa reflita nosso estado de espírito, não que seja algo que nos faça perder um tempo que poderíamos gastar vivendo, certo?

Pensando nisso, montei esse post bem objetivo, que vai te ajudar a fazer compras mais acertadas e obter resultados mais interessantes! Como o conteúdo ia ficar muito extenso, dividi em duas partes – a segunda entra na quarta-feira que vem, 22/02. Bora?

1 – Cuidado com as tendências

Sim, as tendências e modismos pipocam por aí. Semanalmente surgem novas modas e com um propósito muito óbvio: te fazer gastar mais. Afinal, é disso que o mercado vive. Não há nada de errado em seguir uma tendência que você gostou muito. Mas se controle. Não ache que você precisa comprar todos os “must haves” que aparecem o tempo todo. Antes de investir em uma peça, pergunte para você mesma o quanto aquilo representa você, o quanto tem a ver com a imagem que você quer transmitir, em que situações você usaria e se combina com, pelo menos, 3 peças que você já tem – o ideal são 5. Adquirir peças que reflitam quem você é, é fundamental para que você se sinta mais bonita.

2 – Calcule o valor real das coisas

É muito comum se jogar nos preços baixos, como se não houvesse amanhã. Mas o amanhã chega e a fatura do cartão de crédito vem junto com ele! Dinheiro não nasce em árvore. Não é viável e, muito menos, sustentável, sair por aí comprando tudo só porque “o preço estava bom”. Aprenda a calcular o valor real das coisas, para refletir se vale realmente a pena investir em algo, ou não. Tá, e como eu calculo isso? Explico! O valor real de uma peça é igual ao seu preço, dividido pelo número de vezes que você usou aquilo. Ou seja, aquela blusinha que você comprou por impulso, por 30 dinheiros, e ainda está com a etiqueta, saiu mais cara do que a jaqueta de couro que custou 600 e te acompanha pra todos os lados há 5 anos – vamos supor que você tenha usado ela 10 vezes por ano, em 5 anos, 50, certo? Logo, 600 / 50 = 12 😉 Percebeu porque, nem sempre, “aproveitar” um preço baixo é sinal de boa compra?

Essas são as duas dicas dessa semana. No próximo post volto com mais dicas certeiras. Vai colocando essas em prática e depois me fala o que achou, ok?

comprar-melhor.jpg

Anúncios

Hey, agora eu sou MAC Pro

O post de hoje não é sobre dicas, nem especificamente sobre moda/estilo/tendências. Ele é mais sobre uma novidade que eu queria muito compartilhar com vocês porque vai agregar demais no meu trabalho e isso resulta em um serviço mais completo para vocês, minhas leitoras e clientes ❤

Desde a semana passada eu me tornei uma MAC Pro Membership! Para quem não faz a menor ideia do que seja isso, eu explico: MAC Pro é um programa de afiliados da MAC em que, comprovando que você é maquiador profissional, ou trabalha em alguma área correlata – jornalista de beleza, stylist, produtora de moda, figurinista, etc. -, você recebe uma carteirinha que te dá acesso a novidades e eventos fechados, masterclasses com profissionais do ramo, produtos exclusivos – detesto essa palavra – e 20% de desconto nos produtos da marca – 30% no caso dos maquiadores – com exceção de coleções com edição limitada e a linha Viva Glam – porque afinal, a venda é toda revertida para a MAC Aids Fund, não faz sentido ter desconto.

Eu já conhecia o programa há um tempo, mas não havia tentado me filiar ainda. Quando fui tentar, no meio do ano passado, soube que ele estava passando por uma reformulação, então não estava aceitando solicitações. Assim que voltou à ativa, fiz meu cadastro no site, anexei os documentos comprobatórios e aguardei. No mesmo dia, recebi um e-mail informando a minha adesão e o meu número de identificação, que deve ser apresentado junto com um documento, para que eu comece a usufruir dos benefícios enquanto a carteirinha não chega – ela é confeccionada em NY e pode levar até 8 semanas para chegar em casa.

Quem me conhece sabe que sim, fiquei muito feliz pelos 20% de desconto nos produtos – isso vale nas MACs do mundo inteiro! -, mas não foi o meu principal objetivo quando aderi ao programa. Eu sou consumidora nível hard da MAC com preço cheio – principalmente das edições limitadas, com suas embalagens lindas e colecionáveis. Gosto da marca e indico sempre para as minhas clientes. O que me motivou realmente foi a possibilidade de me aperfeiçoar com as masterclasses e poder transmitir mais esse conhecimento às mulheres que eu atendo!

Não tenho curso de maquiadora profissional, fiz cursos básicos de maquiagem e cursos de visagismo e colorimetria, então essas técnicas irão ampliar meu repertório e me tornar uma consultora de estilo cada vez mais completa! Eu amo o meu trabalho e não perco uma oportunidade de me aprofundar em tudo o que diz respeito a ele – inclusive, estou fazendo um curso babadeira, sobre o qual falarei mais pra frente. Esse é o motivo de toda a minha felicidade e eu queria contar pra vocês essa novidade incrível 🙂 espero que tenham gostado tanto quanto eu. E às mulheres que acreditam no meu trabalho, obrigada! São vocês que me inspiram a aprender mais todos os dias!

macpro.jpg

Escolhendo o tecido para suportar o verão

O verão chegou – com força – e a vontade é passar o dia inteiro de biquíni. Isso não é possível, mas é possível optar por roupas mais adequadas às altas temperaturas, sem fazer feio em nenhum ambiente. Como? Escolhendo o tecido!

Os tecidos sintéticos – poliéster, acrílico, nylon – são feitos, em sua maioria, à base de petróleo. Portanto, não respiram e, por mais fresca que seja a modelagem da peça, vai te fazer transpirar e sentir ainda mais calor – dependendo do quanto você sua e do tempo que vai usar a roupa, pode até causar aquele odor extremamente desagradável.

O ideal é sempre buscar tecidos naturais na hora de montar suas produções. Nesse caso, ainda que a peça seja um pouco mais “coberta”, o calor vai ser menor porque sua pele vai conseguir respirar através dela. Fique de olho na etiqueta para conhecer a composição da roupa e priorize peças de algodão, linho e seda. Como esses tecidos têm sua matéria-prima 100% natural, eles são mais frescos e mais macios ao toque – o que é outra super vantagem, né? Ninguém merece aquela sensação de estar envolvida em um plástico.

Uma outra opção é a viscose, que não é nem sintético, nem natural, é um tecido artificial – produzido quimicamente, mas com matéria-prima natural. Além de ser um tecido de valor super acessível, é fresquinho e tem um caimento lindo. O único porém é que ele amassa só de olhar. Pra mim, isso não é nada demais, abuso das camisetas e vestidos de viscose no verão, mas se você implica, talvez não seja a melhor alternativa.

De qualquer maneira, tecido natural também amassa e isso já deixou de ser problema. Ninguém fica parado o dia inteiro, a rotina é puxada, a gente senta, levanta, prende cinto de segurança, essa é a vida!

Portanto, se a sua realidade não é passar o verão inteiro dentro de uma piscina, minha dica para não derreter é se atentar sempre à etiqueta das peças na hora de montar seu #lookdodia.
camiseta-costas

Curso de maquiagem MAC Technique

No início desse mês, eu fui convidada a participar do curso de técnicas de maquiagem da MAC, o Technique, e como vira e mexe alguma cliente me pede indicação de curso de maquiagem, resolvi compartilhar aqui as minhas impressões – a automaquiagem é uma das etapas dos pacotes de consultoria de imagem e coloração pessoal, porém, para recursos mais avançados, é indicado um curso específico na área.

O tema do MAC Technique desse ano é Smokey Eye – o tão sonhado olho esfumado – e o curso acontece sempre em algum local com estrutura pare receber esse tipo de evento, nunca em loja. Quem dá o curso é um maquiador profissional da MAC e ele vai maquiando uma modelo, enquanto explica todo o passo-a-passo. Além disso, há mais uns três ou quatro maquiadores presentes para das assistência às alunas e ajudar a tirar dúvidas – as turmas são de no máximo 15 pessoas. Agora vamos ao que eu achei!

Já de cara eu afirmo que vale a pena participar de um curso como esse por um motivo simples: o valor do curso, 300 reais, é 100% revertido em produtos no final – você tem até 48 horas para voltar à loja onde se inscreveu e fazer a troca. Ou seja, no fim das contas, o curso sai de graça. Pois é, mesmo que o curso fosse ruim, ainda assim você não teria jogado dinheiro fora, MAS o curso é sim muito bom e bem completo, principalmente pelo tempo relativamente curto de duração – são 2 horas.

Apesar do foco ser o esfumado nos olhos, há todo um processo de preparação da pele, ensinado detalhadamente, que vai desde a hidratação até a finalização da maquiagem. O smokey eye em si vira mero detalhe depois que você aprende tantas técnicas. Todos os profissionais são extremamente atenciosos e dedicados e, à medida do possível, apesar dos produtos estarem em quantidades reduzidas e associados ao tema principal, eles sempre tentam indicar as cores mais adequadas para a sua pele – óbvio que não dá pra garantir que eles irão acertar exatamente a cor, mas vão selecionar o mais próximo possível e isso já auxilia bastante na hora de você montar sua lista de compras. Além disso, rola toda uma explicação acerca de cada produto usado e qual o resultado obtido – você pode aproveitar para tirar todas as suas dúvidas sobre a base ideal para o seu tipo de pele, etc…

Tudo o que você considerar importante, pode anotar em um fichário que é entregue no começo da aula, incluindo numeração de pincéis, qual a melhor função para cada um e todos os produtos que foram utilizados. Esse fichário contém também um face chart que, para quem não sabe, é o esboço de um rosto, utilizado – amadora e profissionalmente – para você reproduzir no papel a maquiagem que pretende fazer. A ideia é que você treine depois, sozinha, o que foi aprendido em aula. Eu, particularmente, adoro esse tipo de exercício. Acredito que amplia nossa visão e aumenta nossa criatividade.

A presença de um maquiador profissional faz TODA a diferença. Ele consegue mostrar como produtos que você nunca imaginou que ficariam bem em você, ficam! A visão dele é muito diferente da de um leigo – claro, né? O cara estuda muito pra isso mesmo – e com isso, muitas dúvidas são sanadas. Mesmo para quem se vira bem na maquiagem do dia-a-dia, essa é uma boa oportunidade para descobrir, de uma vez por todas, porque um ou outro detalhe nunca sai exatamente como o planejado.

Eu gostei muito do conteúdo e da maneira como o curso foi conduzido. Não participei de outros, então não tenho como fazer um comparativo, mas se você está pensando em fazer, indico o MAC Technique com certeza. É uma excelente oportunidade de absorver coisas novas e exercitar o autoconhecimento, aliando técnicas e prática – é pra praticar, hein!

O curso normalmente acontece duas vezes por ano e para saber as datas é preciso que você se informe direto nas lojas da marca, não há muita divulgação – provavelmente pelo número reduzido de alunos por turma. Portanto, fique de olho para não perder o próximo, que deve acontecer no final desse ano!

mac

Dicas para disfarçar ombros largos

Hoje vou falar de um assunto que está em primeiro lugar na lista de temas que me pedem para postar: os ombros largos. Geralmente, mulheres que têm ombros largos se enquadram no biotipo “triângulo invertido”, ou seja, são mais largas em cima e têm os quadris mais estreitos. Mulheres com esse tipo físico costumam reclamar que, dependendo do que vestem, se sentem masculinas. De fato, algumas modelagens podem dar a impressão de que os ombros são ainda mais largos do que são na realidade. Mas para resolver isso, não tem segredo, basta apostar em cortes que equilibrem as medidas e ninguém além de você mesma vai perceber a largura dos seus ombros.

A receita é simples, você precisa desviar os olhares para outras regiões do seu corpo. Portanto, aposte em decotes, cintos com fivelas grandes e, principalmente, volume na região do quadril. Equilibre suas proporções para criar uma imagem harmônica.

Abuse de vestidos com a parte de baixo rodada e mais ampla – evasê, trapézio, em A, com pregas, babados -, ou modelo envelope, que tem o combo decote em V, cintura marcada e saia fluida – esse modelo valoriza todos os tipos físicos, não à toa é um clássico desde sempre. Nas saias vale a mesma dica, cores claras, franjas, camadas, todos os detalhes são bem vindos. Para combinar com elas, aposte em uma parte de cima lisa e tecidos de caimento leve. Calças estampadas são uma excelente escolha, vale lembrar que modelos como flare e pantalona são os melhores para equilibrar a silhueta. Jaquetas de cores escuras e mais compridas. Se você usar uma que termine na cintura, por exemplo, vai estar criando mais volume na parte de cima, então dê preferência às que terminam nos quadris. Use sem medo decotes profundos, em V ou redondos, e pode abusar deles nas costas também, isso vai te deixar sensual e feminina.

Evite blusas com decote canoa, nadador, tomara-que-caia, frente única e regatas com as alças grossas. As alças finas deixam a produção mais delicada. Prefira listras verticais às horizontais. Ombreiras vão deixar seus ombros ainda mais largos, o mesmo vale para colares ou golas muito grandes e volumosos. Se você gosta de acessórios maxi, invista em anéis e braceletes. Ah! A dobradinha escuro em cima e claro embaixo sempre cai bem – para esse biotipo, óbvio.

E se você é apaixonada por alguma peça ou modelagem que deve ser evitada pelo seu tipo físico, sem desespero. Basta coordená-la corretamente com a parte de baixo e usar. Não precisa se desfazer de nada que você gosta, ok?

Abaixo, separei algumas produções liiiindas e que deixam claro que é possível criar looks super femininos tendo os ombros largos.

ombros_largos_02ombros_largos_01